Cornelius Agrippa
Cornelius Agrippa

 

 

Heinrich Cornelius Agrippa von Nettesheim foi um dos mais significativos ocultistas da história da humanidade, especialmente no período renascentista. Porém, foi também médico, astrólogo, teólogo, escritor, alquimista, soldado e outras tantas ocupações. Seu nome é referenciado em diversos compêndios e citado por inúmeros autores em tratados esotéricos e estudos herméticos. No entanto, a história recente parece não ter atribuído o devido valor a sua contribuição e seu nome fica projetado em segundo plano, ocultado por personagens tão brilhantes como Paracelso,Eliphas LeviSaint Germain, entre outros.

 

 

Vida, Viagens e Magia

 

Heinrich Cornelius nasceu na cidade de Colônia, Alemanha, em 14 de setembro de 1486. Adotou o nome Agrippa em uma homenagem ao fundador de sua cidade e teve uma educação privilegiada na qual pôde estudar idiomas, direito e ciências. Matriculou-se na Universidade de Artes de Colônia em meados de 1499. No entanto, não atingiu graduação na maior parte de sua vida acadêmica.

Nos primeiros anos do século XIV, em Paris, adotou o nome von Nettesheim, o qual atribuía-lhe uma certa condição de nobreza. Neste mesmo período, juntamente a um grupo de estudantes ocultistas, fundou uma sociedade que se dedicava ao estudo da cabala, astrologia e diversos ramos demagia. Esteve na Espanha entre 1507 e 1508. Em Dôle, no ano de 1509, trabalhando como professor de Hebreu e Teologia, Agrippa reuniu alguns equipamentos e material necessário para dar início a uma nova área de pesquisa:alquimia. Nesta época, foi acusado de herege devido seu comportamento e abordagem como professor. Ainda esteve na Itália atuando no grupo militar do Imperador Maximilian.

Os próximos anos de sua vida são dedicados ao estudo e prática de Grande Obra. No entanto, não há registro de nenhum feito considerável, apesar de ter viajado pela Europa e ter acumulado uma significativa experiência ocultista durante este período. Em 1510, mantendo contato com Johannes Trithemius, deu início ao livro De Philosofia Occulta. Porém, seguindo a sugestão do próprio Trithemius, decidiu ocultar este trabalho para evitar mais perseguições por parte da Igreja. No ano seguinte, retornou à Colônia e integrou o corpo militar.

Na Universidade de Turim, em 1516, dissertou sobre teologia baseadas nas epístolas de São Paulo. Três anos mais tarde, em Metz (França), atuou como "advogado" de defesa de uma mulher acusada de feitiçaria pelo inquisidor local. Agrippa venceu a causa e ganhou fama.

Em 1520, na cidade de Genebra, passa a atuar com medicina através de ervas e poções elaboradas por ele mesmo. Neste período entra em contato com a doutrina do luteranismo e passa a acompanhá-la com interesse. Pouco tempo depois, em 1524, é convidado a ocupar a condição de médico da Rainha Mãe da corte do Rei Francis, na cidade de Lyon, França; e torna-se astrólogo da corte.

Porém, Agrippa foi abandonado pela corte quando, em uma interpretação astrológica, previu a queda do Reino. Então, desprezado pela nobreza de Lyon, vaga até chegar a Antuérpia e dar continuidade as suas atividades medicinais. Lá, após obter fama curando os cidadãos afetados pela peste, é impedido pelas autoridades de dar prosseguimento às atividades medicinais por não dispor de licença legal. Em seguida passa a atuar como historiador da corte do Rei Charles V. No entanto, em momento algum obteve muita prosperidade econômica.

No ano de 1527, concluiu seu trabalho De incertitudine et vanitate scientiarum. Esta obra é uma reunião de referências católicas combinadas com filosofia e ocultismo; mas, segundo o autor é uma "sátira da tristeza da ciência". Em 1529, compilou o tratado de magia intitulado De Philosofia Occulta iniciado em 1510. De Philosofia Occulta é baseado em textos hebraicos e gregos com influência do neoplatonismo, no qual afirmava que a melhor forma de atingir a essência divina era através das práticas mágicas. Outras obras relevantes de cunho ocultista-filosófico sãoLibellus de sacramento matrimonii e De nobilitate et præcellentia feminei sexus declamatio. Além de um trabalho no qual exaltava a nobreza e o poder do sexo feminino.

Muda-se para Bruxelas em 1531 e a partir de meados de 1533, os registros sobre os fatos de sua vida tornam-se mais escassos. Sabe-se que Agrippa continuou sendo perseguido pelos inquisidores e por seus desafetos que influenciaram o Rei Charles V a condená-lo à morte sob a acusação de heresia. Entretanto, consegue fugir para a França. Lá, é capturado por soldados de Francis devido à mágoa de sua previsão astrológica elaborada anos antes. Através de sua influência no reino, consegue sua libertação e parte rumo à Lyon.

Agrippa nunca chegaria à Lyon. Há registros de que fora visto pela última vez na cidade de Grenoble em fevereiro de 1535 e que seu corpo repousa em um monastério da região. Posteriormente, no ano de 1600, uma edição bastante robusta de suas obras foi publicada em Lyon.

 

 

Divagações e Citações

 

Tanto sua obra, contendo além dos compêndios citados, outros tantos tratados que influenciaram posteriormente os estudos do astrólogo inglês John Dee e do teólogo Giordano Bruno, quanto sua vida são repletas de lacunas. Grande parte do que é conhecido sobre Agrippa é baseado em registros autênticos feitos por ele mesmo ao longo de seus dias.

Esse vácuo biográfico permite especulações que atribuem a sua pessoa, por exemplo, a autoria do Heptameron e uma série de divagações sobre sua conduta pessoal e profissional, como várias detenções em virtude de ofensas criminais, dívidas financeiras e heresia.

De qualquer forma, a pessoa de Heinrich Cornelius Agrippa von Nettesheim desperta uma atmosfera enigmática. Talvez, a mesma atmosfera que levou Mary Shelley a citá-lo em seu clássico Frankenstein, que inspirou Goethe em sua peça Fausto e induziu J. K. Rowling a incluí-lo na série Harry Potter. E, certamente, a mesma aura misteriosa que faz seu nome e sua figura serem invocadas mais de quinhentos anos depois de seu nascimento.

Free Translation Widget

Rating: 3.2/5 (445 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



Imagem